junho 16, 2024

Comandante da PM apela por “leis que regulem eventos”, em Audiência Pública sobre a violência

 Comandante da PM apela por “leis que regulem eventos”, em Audiência Pública sobre a violência

Um apelo, ao Poder Legislativo, pela “aprovação de leis que regulem os eventos em Feira de Santana”. Este foi um dos principais pontos do discurso do Comando de Policiamento Regional Leste (CPRL), coronel Adalberto Piton, na Audiência Pública realizada ontem, pela Câmara, sobre a criminalidade neste Município. O debate foi proposto pela Frente Parlamentar de Combate à Violência. O coronel não entrou em detalhes sobre quais propostas ele tem para apresentar. A presidente da Casa da Cidadania, Eremita Mota (PSDB) e o presidente deste órgão, vereador Pastor Valdemir (PV), dirigiram os trabalhos.

Roberto Leal falou sobre as mortes de mulheres, em Feira de Santana, “a maioria resultado do envolvimento com tráfico de drogas”. Segundo ele, o número de prisões “mostra que o trabalho está sendo feito”. Ao pedir cuidado com as avaliações do trabalho realizado, disse que “ações efetivas vêm sendo feitas” e sugeriu “aplaudir as boas ações, não apenas criticar”. O delegado defende a necessidade da Secretaria de Assuntos Penais também participar do debate sobre a segurança pública.

A comandante da Ronda Maria da Penha, tenente Renata Martins, informou que este projeto, implantado em 2016, tem um efetivo especializado e acompanha 240 famílias, utilizando de “ferramentas financeiras, psicológicas e sociais”. Defendendo a importância de discutir a violência doméstica, ela reproduziu números de 2020, quando 1.400 feminicídios foram registrados, sendo que 40% das mulheres morreram dentro de seus próprios lares. Ela também discursou sobre “a experiência restauradora na vida de uma mulher, tornando-a empoderada, feliz e com autonomia”.

Presente à Audiência Pública, o inspetor da Polícia Rodoviária Federal, George Silva Paim, sugeriu investimentos no esporte e fomento ao emprego, junto com diálogo e debate, como medidas que podem reduzir o envolvimento dos jovens na criminalidade. Representando o arcebispo Metropolitano Dom Zanoni Dementino de Castro, o Padre Jorge Fontes disse que considera o momento “oportuno e valioso “para discutir a violência urbana. A apóstola Mariângela destacou o papel da Igreja neste combate, enquanto o bispo Roque Hudson encerrou a audiência com uma oração pela paz.

Secom/CMFS

Whatsapp
Olá
Olá, podemos ajudar?