junho 16, 2024

Baianos inovam ao criar filtro para descontaminar água impura

 Baianos inovam ao criar filtro para descontaminar água impura

Foto: Divulgação/Secti

A escassez de água representa um desafio global crescente que ameaça a segurança alimentar e hídrica. Dados da Organização das Nações Unidas (ONU) indicam que 3,5 bilhões de pessoas e 52 países podem ser afetados por essa crise até 2025. Logo, é preciso realizar ações urgentes para conservação, gestão sustentável e conscientização sobre o uso responsável da água. Nesse contexto, pesquisadores da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), campus Juazeiro, sob a orientação de Helinando Pequeno, desenvolveram um inovador filtro para descontaminar a água.

O orientador do projeto explica como o sistema de descontaminação funciona. “É um dispositivo fechado que conduz todo o líquido contaminado através de uma esponja de poliuretano, um material poroso e flexível feito a partir de polímeros de uretano, enriquecida com nanotubos de carbono, que tem propriedades únicas em condutividade e resistência, e polianilina, polímero condutor com ajuste de condutividade elétrica. Esses materiais possuem forte ação antibacteriana e retêm as bactérias em seus poros, permitindo que a água passe pelo elemento filtrante e se torne livre de contaminantes”.

Há no mercado vários filtros à base de carvão ativado, nanopartículas de prata e outros agentes antibacterianos. Porém, de acordo com o pesquisador, esse é o primeiro filtro de nanotubos de carbono e polímeros condutores em matriz de poliuretano. “Temos um protótipo em pequena escala que pode ser adaptado para uso em larga escala a depender do interesse de parceiros comerciais. Com a adequada transferência de tecnologia, temos a expectativa de ter nossa solução mais próxima das pessoas, melhorando sua qualidade de vida”, afirma Helinando.

A tecnologia é apoiada pelo Laboratório de Espectroscopia de Impedância e Materiais Orgânicos da Univasf. Além da universidade, o projeto conta com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa da Bahia (Fapesb), da Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia de Pernambuco (Facepe), da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Fotônica (INCT Info). A equipe executora é composta pelos professores doutores Marcelo Reis, Mateus Matiuzzi e Helinando Pequeno.

Bahia Faz Ciência

A Secretaria Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti) e a Fundação de Amparo à Pesquisa da Bahia (Fapesb) estrearam no Dia Nacional da Ciência e do Pesquisador Científico, 8 de julho de 2019, uma série de reportagens sobre como pesquisadores e cientistas baianos desenvolvem trabalhos em ciência, tecnologia e inovação de forma a contribuir com a melhoria de vida da população em temas importantes como saúde, educação, segurança, dentre outros. As matérias são divulgadas semanalmente, sempre às segundas-feiras, para a mídia baiana, e estão disponíveis no site e redes sociais da Secretaria e da Fundação. Se você conhece algum assunto que poderia virar pauta deste projeto, as recomendações podem ser feitas através do e-mail [email protected].

Fonte: Ascom/Secti

Whatsapp
Olá
Olá, podemos ajudar?