Especialista alerta para aumento dos casos de mal de Parkinson nos próximos anos

xIMAGEM_NOTICIA_5.jpg.pagespeed.ic.428dEjrJV7

xIMAGEM_NOTICIA_5.jpg.pagespeed.ic.428dEjrJV7
O mal de Parkinson atinge cerca de 300 mil pessoas no Brasil, de acordo com dados da Associação Brasil Parkinson e, na Bahia, o número de acometidos pela doença fica entre 15 e 20 mil pessoas. Daqueles que sofrem com a enfermidade degenerativa no estado, apenas 10% a 15% realizam tratamento. Uma realidade que, segundo o neurologista Thiago Fukuda, é algo preocupante, já que a falta de tratamento leva ao rápido agravamento da doença. De acordo com ele, tal situação acontece na Bahia porque há diferenças de acesso da população aos serviços de saúde. “Na Bahia, a população, sobretudo a carente, tem menos acesso a especialistas, como o neurologista. Além disso, na própria Bahia, só temos um centro público especializado no Parkinson, que fica em Salvador. O próprio estado centraliza somente na capital a assistência aos portadores da doença”, afirmou. Um estudo realizado em 2007 pela Universidade de Rochester (EUA) revelou que o número de casos da doença deve dobrar no Brasil nos próximos 23 anos. Um dos motivos é o aumento da expectativa de vida da população brasileira, já que o Parkinson incide com maior frequência sobre pessoas acima dos 60 anos. Para Fukuda, o país deve dar mais importância ao impacto social da enfermidade e se preparar para o futuro aumento no número de casos. “O Brasil deveria realizar uma descentralização dos profissionais que possam fazer o diagnóstico da doença, não só deixá-los nos grandes centros urbanos ou em determinadas regiões do país. Precisa também se preparar farmacologicamente, criar centros de distribuição de medicamentos para que ela não seja feita só em centros de referência, em grandes centros urbanos”, frisou. Fukuda também afirmou que a população precisa ser mais esclarecida com relação à doença. “O nível de informação tem aumentado, mais ainda é pouco. Há uma divulgação muito menor do que a do infarto cardíaco. Todo mundo conhece os sintomas do infarto, mas, no caso de uma leve lentificação do movimento, ninguém pensa que pode ser o início do Parkinson para procurar um especialista”, afirmou. Fukuda explicou também que ainda não há medicamento que impeça a evolução da doença, mas que o diagnóstico precoce é essencial para que o portador da doença tenha uma melhor qualidade de vida. “As medicações conseguem propiciar uma qualidade de vida muito boa a quem tem um diagnóstico mais precoce. Além disso, outros métodos, que não são medicamentos, como terapias, melhoram a vida do paciente. Se você diagnostica a doença precocemente, há uma melhor qualidade vida por mais tempo”, completa.

Você também pode gostar ...

0 Pensamentos sobre “Especialista alerta para aumento dos casos de mal de Parkinson nos próximos anos”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ITV Nordeste

No Banner to display