O presidente Jair Bolsonaro se reuniu nesta segunda-feira (7) com ministros e comandantes das Forças Armadas para discutir o aparecimento de manchas de óleo em praias do Nordeste. O encontro aconteceu na sede do Ministério da Defesa.

Após a reunião, Bolsonaro disse a jornalistas que as manchas de óleo estão sendo “analisadas” desde 2 de setembro. Ele afirmou que trata-se de uma investigação “bastante complexa” e frisou que o óleo não é produzido e nem comercializado no Brasil.

Segundo o presidente, o aparecimento das manchas pode ter origem criminosa ou acidental. De acordo com ele, existe um país “no radar”, mas Bolsonaro não quis dizer qual.

“Pode ser algo criminoso, pode ser um vazamento acidental, pode ser um navio que naufragou também. Agora, é complexo. Temos, no radar, um país que pode ser o da origem do petróleo e continuamos trabalhando da melhor maneira possível”, declarou.

Bolsonaro acrescentou que cerca de 140 navios fizeram o trajeto pela região, mas não disse em qual período. O presidente afirmou que, em situações como essa, “seria natural” o comandante – da possível embarcação que teria derramado o óleo – informar sobre o ocorrido.

“Acidentes acontecem, mas, infelizmente, com o navio que aconteceu isso, com o possível navio – pelo que tudo demonstra, não veio também, pelo que parece, não veio de vazamento de plataforma – infelizmente isso não aconteceu”, lamentou.

Sobre o turismo, Bolsonaro afirmou que, com toda certeza, haverá impacto negativo no setor na região. “Se eu estivesse em viagem para lá, a gente não iria”, emendou.

Bolsonaro disse que o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, não está na região, mas está ciente da situação. Quando questionado sobre se o ministro, que foi denunciado no caso das candidaturas-laranja do PSL, permanecerá no cargo, Bolsonaro encerrou a entrevista.

Na sequência o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, conversou rapidamente com jornalistas. Disse que, até o momento, nada é conclusivo nas investigações sobre as manchas de óleo nas praias nordestinas.

“Nada é ou está conclusivo. Isso é importante. A causa não é isso, não é aquilo. Então, está sendo investigado. Já foi aberto o inquérito em relação a isso”, declarou.

Participaram presencialmente da reunião em Brasília os ministros Fernando Azevedo e Silva (Defesa), Augusto Heleno (Segurança Institucional), Bento Albuquerque (Minas e Energia), Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e os comandantes Edson Leal Pujol (Exército) e Antonio Bermudez (Aeronáutica).

O ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) e o comandante da Marinha, Ilques Barbosa, participaram da audiência por videoconferência. Salles está em Sergipe, para onde viajou a fim de fazer um sobrevoo pelo litoral. Ilques Barbosa está no Rio de Janeiro.

No sábado (5), Bolsonaro determinou a investigação das causas e dos responsáveis. As investigações são conduzidas pela Polícia Federal, Ministério da Defesa, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

O presidente fixou prazo de 48 horas, encerrado nesta segunda, para a apresentação dos dados coletados e as providências adotadas até o momento.

No Banner to display

DEIXE UMA RESPOSTA